Encerrando meu Blog.

Obrigado aos que acompanharam meu Blog!
Estou encerrando ele por aqui.
Talvez comece outro, com outro nome, com outras intenções.
Aos Diabéticos… se cuidem, vocês nunca terão a tal da cura.
Aos amigos que conheci por aqui, valeu! Foi bom. Estou por aí, no Facebook e outros lugares, até segunda ordem.
Aos que se ofenderam, a vida é assim mesmo, nem todos conconcordam com nossas idéias e revoltas, as diferenças existem e nos fazem pensar.

Ao mundo… Adeus!

Adversários e não inimigos!

Duelo

Hoje teve jogo e meu time venceu! Que bom!!!:)
Por causa da diabetes… as vezes não me sinto muito bem assistindo… ainda mais qdo o jogo está pegando fogo! Corro o risco de aumentar a glicemia!!! É mole?rsrsrs
Sobre as torcidas e os torcedores só posso dizer o seguinte:

Uma vez, quando eu tinha uns 20 e poucos anos, eu estava voltando para minha casa e como estava com pressa resolvi cortar caminho por um beco, que era bem apertadinho, cabia duas pessoas lado a lado de ombros encostados. Como naquela época as pessoas caminhavam por aí sem tantas neuroses, e eu era uma dessas figuras que não esquentava com absolutamente nada, entrei no beco de mente vazia e o coração aberto.
Como aquela semana era de jogo, eu usava a bela camisa do meu time, a oficial, e tranquilamente caminhei beco à dentro. Foi aí que, do lado oposto entrou, para a minha surpresa, um torcedor do time rival ao meu. Era a semana do final de campeonato e o do outro era tão favorito quanto o meu time. O rapaz que acabara de entrar no meu caminho, fisicamante não era nem superior e nem inferior à mim mesmo, encheu o peito, coberto do emblema inimigo, me encarou e depois de uma rápida paradinha, provavelmente por ter me visto, avançou desafiador com a confiança da vitória.
Eu sempre fui um cara pacífico, mas naquela hora gelei… e pensei mil coisas em menos de um minuto: Brigas, xingamentos, desaforos, cusparadas, olhares arrogantes e todas as ofensas e palavrões do meu vasto repertório… tudo ali, em mãos para serem utilizados a meu favor! Não iria arregar e nem fugir, não eu! O que é isso?!! Se ele quisesse iríamos morrer ali mesmo, em luta mortal! Tudo pela honra e glória do meu time de coração! Tá pensando o que? Folgadão do caramba!!!
Quando estávamos bem próximos, uns dois passos antes do fim do mundo, o rapaz abriu um sorriso, me cumprimentou educadamente e se afastou para que eu passasse!!!
Caraça!!! Foi aí que eu percebi o quanto eu era um imbecil! Que esse negócio de time não está com nada e que acima de tudo éramos seres humanos!
Hoje torço ainda para o mesmo time e fico feliz por ele vencer, mas torço muito mais para que existam mais pessoas como aquele rapaz, que andam por aí com elegância e educação!
Mesmo não querendo, eu tenho que admitir… 1×0 pro time ADVERSÁRIO e não inimigo!

Os secretos segredos do Universo e suas máquinas secretas!rsrs

ET

Estava eu olhando o céu há uns poucos anos atrás, quando vi algo diferente que ridiculamente chamarei de OVNI!!! -Xiiiii! Qualé?! Tá malucaço!!! Tá fumando a insulina, Brou?!
Tô falando o que rolou, mané… espera, escuta e depois sai zoando!

Tava ali de bobeira, num domingo de nuvens e totalmente tranquilo, apreciando mais um belo final de semana passar, quando um pontinho, lá longe… bem lá longe mesmo, pairava indiferente ao que rolava cá embaixo.
Tentei inutilmente achar um rosto amigo o suficiente para ser cúmplice do incrível pontinho inexplicável que se exibia lá no alto, mas ninguém que pudesse compartilhar tal intimidade sem aparentar um maluco com papinho furado. Emocionado pela minha descoberta fantástica, me sentia feliz por ver algo que poderia ser milhares de coisas incríveis e ao mesmo tempo frustrado por ter que morrer com uma descoberta de algo que voava lá no céu distante, sem poder dividir minhas várias teorias fantasiosas. Fiquei ainda mais perturbado ao ver que o tal pontinho refletia a luz do sol, logo era metálico e ao compará-lo a um avião que voava em sua rota inocente sem ligar para ele e nem para meus mais profundos delírios, ao passar próximo, supus que o danado do pontinho era grande pra pixorra!!!
Viajei em várias teorias e prometi para mim mesmo que não tiraria os olhos daquele pontinho voador até que ele tomasse alguma atitude, do tipo: sumir, voar rápido, ou qualquer coisa que o entregasse como algo anormal à minha realidade! Foi aí que meu celular tocou e tirei os olhos do infeliz do pontinho por alguns segundos, quase um minuto, e quando voltei para continuar minha secreta observação aos segredos do espaço… Puf! O cacete do OVNI tinha sumido, ou seja, nunca terei um final interessante para a porcaria desta história!!! Não vi se entrou nas nuvens, se sumiu no ar, se evaporou, ou disparou em velocidade supersônica!
Agora tá liberado… podem zoar do maluco aqui!!!rsrsrs

Palavras ao léu!

Talvez, por defesa própria, ou por uma questão de não conseguir explicar certas fraquezas, como diz o Marcos, inventamos jargões. Acho que devo ter uns duzentos neste sentido e que me caem bem ao explicar minha repulsa, ou inferioridade sobre algo! Um que recordo e que sempre digo é: A escola para mim foi ótima, aprendi a ler! Querendo insinuar que não aprendi porra nenhuma na escola e que talvez tivesse apenas aprendido a ler e a fazer muita merda com os amigos!
Tá bom… isso pode não ser uma verdade completa, mas é um belo jargão… diz aí?! Assim como esse, tenho outros bem interessantes também, mas prefiro não entregar todos de bandeja, pois acaba parecendo que sou um cara falso… e não creio que seja o caso! Conforme o Marcos, todos temos um jargão, você pode até não ter reparado, mas provavelmente você deve ter o seu.
Por falar em frases jogadas ao léu e oportunamente, gostaria de mostrar como as vezes as frases nos escapa da boca e tem um efeito incrível para uma grande quantidade de pessoas, não estou me referindo as que mudam relacionamentos ou a forma de ver o mundo, ou ainda daquelas ditas quando o barco está afundando, mas as inocentes, que não muda nada, não cheira e nem fede, mas teve seu grau de importância. Por exemplo:
– Caramba! Esta estatueta é a cara do meu tio Oscar! Aí, até hoje nego chama o “maior prêmio do cinema”, de Oscar!!! Assim, de bobeira, de graça!!!rsrs
– O que o Sr. acha dos nomes que escolhemos para este chocolate Seu Zé? [O tiozinho da limpeza, que passava de bobeira pelos corredores da Nestlé] Ô Dr. acho que estes nomes não têm Prestígio! Alá, viu? Tá dado o nome de um dos melhores chocolates da Nestlé, que passou a chamar: Prestígio!rsrs
Pode ser que seja tudo balela, mas se for verdade, olha como a palavra jogada ao vento, pode ter força de mudar o mundo!!! Pensemos nisso…

Acredita!

Você já teve uma história estranha pra contar? Pois eu tenho!
Um tempo atrás fui pro parque numa destas tentativas empolgadas de praticar uma caminhada, ou até mesmo uma corrida na pista de cooper.
Comecei devagar… discreto graças aos meus limites, as minhas dores, o meu peso, mesmo porque era lógico que não poderia exagerar estava no começo das minhas férias e não queria no meu tão merecido descanso alguma lesão, contusão, ou seja lá qual for o nome disto.
Devagar e sempre… andava num ritmo rápido e em intervalos de quatro minutos dava uma corridinha. Foi aí que, ainda orgulhoso do meu desempenho por permanecer por quase vinte minutos na pista, que um rapaz, destes atletas, aproximadamente da minha idade, passou por mim como um foguete. – Também, magrão e em boa forma física, até eu! Reclamei comigo mesmo, justificando meu desempenho tão abaixo, para não dizer medíocre em relação ao dele!
Então, aconteceu algo inusitado, uma luz, um raio, sei lá o que, explodiu na pista de corrida e sem saber ao certo o que acontecera, parei de correr e fiquei procurando de onde teria vindo tal luminosidade.
Olhei pra mim mesmo e: AHHHHHHH!!! Não era mais eu e sim o rapaz que voava baixo na pista! Em vez de procurar uma explicação razoável para o inexplicável, apenas compreendi que havia trocado de lugar com o atleta e aproveitei aquela oportunidade única para sair correndo de verdade… agora eu era leve, rápido e a passos largos. Ri quando passei pelo gordinho desajeitado procurando entender o que acontecia. Tive ainda a ousadia de pensar: Corre agora gordo, quero ver! E ri da minha própria piada.
Me sentia feliz e rápido, quando ouvi uma voz dizer: – Tem um mês para usufruir desta situação, aproveite e aprenda!
Foi o mês de férias mais maluco da minha vida, pois as pessoas não estranharam ao me ver assim totalmente modificado, agiam normalmente como se eu sempre tivesse sido daquele jeito. Não sentia dores no ombro, não tinha diabetes, nem complexos, nem falta de ar e passei a curtir a leveza do meu novo corpo.
Na primeira semana, daquela experiência maluca, fui algumas vezes no parque para correr na pista, mas sem muito foco, me distraia com facilidade, pois me sentia ótimo, além do que… com um corpo daqueles… pra que se esforçar tanto? Só lembrava que tinha que correr, quando passava por mim o gordinho bufando com sua corridinha desajeitada, que eu entendia perfeitamente.
Naquele mês, empolgado com o meu novo corpo fui curtir minhas férias nas baladas, beber com os amigos, experimentar comidas em restaurantes e descansar na praia comendo alguns peixinhos fritos, bebidas e lanches que até então me eram proibidos.
No final do mês me sentindo culpado por apenas aproveitar meu corpo malhado, voltei ao parque e de novo na pista me surpreendi, mesmo ainda sendo magro, já não tinha tanto fôlego, nem a leveza de quando havia recebido aquele presente. Com a culpa de quem carregava um mês de luxúrias, orgias e extravagâncias, diminui meu ritmo e controlava a respiração pesada. Foi aí que, para minha surpresa, passou por mim como um raio o gordinho, já não tão gordo assim, a passos largos acompanhando o pelotão de elite do parque em suas corridas invejáveis.
De novo, tomei aquele susto da luminosidade que ocorrera quando recebi um corpo sarado, mas desta vez para me ver de novo gordinho.
Olhei para trás e vi o rapaz de quem havia pegado o corpo emprestado, se aproximar correndo. Olhou pra mim, me deu um sorriso e disse apenas: – Acredita!
Olhei para o meu corpo, agora novamente o gordinho, mas muito mais enxuto e disposto, graças a dedicação e o empenho do atleta, pensei: Acredito!
Moral da história: Você é o que você acredita! rsrs

Múmia Esquecida na Faculdade!!!

Estava eu aqui meditando sobre o porque da minha glicemia estar em 400!!! Simples…esqueci que sou diabético por um dia e pronto…tá lá o besta atrapalhado de novo!
Sinto dores no ombro e os movimentos estão ainda piores, como se estivesse endurecendo! Acho que tô virando uma múmia!!! Fora que minha memória é quase uma piada…tem gente que acha que estou de sacanagem!!! Uma múmia esquecida!!! Situaçãozinha embaçada!!!
Estive pensando na possibilidade de fazer uma faculdade!!! É um comentário estranho, eu sei, afinal, sempre me mantive contra faculdades, mas neste momento tão estranho da minha vida em que me encontro, não seria mesmo engraçado? Uma múmia, sem memória fazendo faculdade!!!rsrsrsrs